Um Recado Para Você!

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Eu Aceito!

Cerimônias de casamento. É impressionante o tanto de gente que sonha com esse momento específico de sua vida. Muitas pessoas, desde que nascem, começam a imaginar como farão o vestido, como desejam a organização da igreja, como querem chegar na igreja. Outras, simplesmente começam a pensar nisso depois do noivado. E isso muitas vezes é um problema, pois dependendo do que precisa ser feito, as pessoas ficam muito estressadas. 

Minha esposa teve sete meses. Foi muito estresse para ela. Ainda mais que morávamos em dois estados diferentes. Eu acompanhava à distância, mas a grande ajuda que ela teve foi minha sogra, meu sogro, e minha cunhada. Que estresse!

Contudo, apesar de tantas pessoas planejarem e correrem atrás desse dia e dessa cerimônia especiais, a maioria das pessoas se esquece que o dia vai passar, e aí terão que conviver com uma dura realidade. Muitos se preparam muito mais para a cerimônia de casamento do que para o tempo que virá depois da cerimônia. Então, quando levam um choque de realidade, descobrem que a vida é muito mais difícil do que pensavam.

Uma parte muito importante do casamento são os votos. Não sei se alguém já parou para pensar no que isso realmente significa. Por que precisamos fazer uma promessa na frente de Deus, dos amigos, dos parentes, e para o nosso cônjuge, de que estaremos juntos na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na prosperidade e na adversidade, até que a morte nos separe? Por que precisamos disso? E mais que isso, o que realmente estamos prometendo? Quero escrever esse texto sobre o que realmente significa a promessa, o voto, do casamento.

Deus e as Pessoas Presentes

Em primeiro lugar, fazemos uma promessa diante de Deus, nossos familiares e amigos. O voto é feito na hora em que o casal está diante do pastor, padre ou juiz de paz. Mas, para que realmente fazemos isso?

Penso que seja por causa da responsabilidade que isso deve gerar. Diante de Deus, oficiais e testemunhas, significa que assumimos diante de todos que a partir daquele momento nossa prioridade vai mudar. Acho que a promessa não é tanto para os noivos, mas é mais para aqueles que ali se encontram.

As pessoas precisam saber que daquele momento em diante, estamos deixando a vida de solteiros e assumindo a vida de casados, com todas as consequências que vêm junto com isso. Quero dizer, todos precisam saber e respeitar o fato de que deixamos de estar livres a qualquer momento para sair com os amigos, deixamos de tomar decisões pensando apenas naquilo que desejamos, deixamos de ser os únicos a decidirem o que faremos com nossos ganhos. A partir de agora, quando quiserem contar com um de nós, terá que incluir a outra pessoa. Significa deixar a vida de festas, chegar a hora que quiser, ter liberdade com outras pessoas do sexo diferente, etc. A partir daquele momento, o que se espera é que a pessoa assuma o papel que está prometendo. E que os outros entendam que não podem cobrar mais a pessoa do mesmo jeito de quando ela era solteira. Agora criou-se uma barreira, mudou-se o nível, aumentou-se a responsabilidade. Eles agora são casados.

Ou seja, temos testemunhas para que todos entendam aquilo que já decidimos em nosso coração. Mas, há uma testemunha que é muito mais importante. É a pessoa de Deus. Prometemos diante de Deus que permaneceremos juntos. Saibam que Deus é Um que não muda. Ele não tem variação, não se esquece, não ignora, não muda de ideia de uma hora para a outra. Deus é o mesmo ontem, hoje e amanhã. Prometer a Deus significa que estamos querendo que Ele sancione nossa decisão. E que essa decisão seja retificada no céu, assim que está sendo na terra.

Só que muitos, depois que casam, esquecem-se do que realmente prometeram. Não entendem todas os desdobramentos da promessa que fizeram.

Entendendo o Voto Matrimonial

“Prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na prosperidade e na adversidade, todos os dias da nossa vida”.

Esse é uma ideia básica do voto. Há alternativas diferentes, pessoas que trabalham com outras perspectivas, mas em princípio, isso é o que o voto diz.

Analisemos, em primeiro lugar, que é uma atitude ativa de quem diz. Não é algo que o outro cônjuge pede. É uma decisão da pessoa que fala. Ela tem que dizer que concorda, ou que está prometendo isso.

Além disso, três coisas muito importantes são ditas: fidelidade, amor e respeito. Acabei de escrever sobre amor e respeito, nos dois artigos publicados anteriores a esses (você pode procurar no blog, os imediatamente anteriores, que irá encontrar). Mas, quero destacar o ponto da fidelidade. Ser fiel não diz respeito apenas ao que você deixa de fazer de errado. Há pessoas que acham que se não fizerem algo ruim, tudo ficará bem. Não é exatamente isso o que está incluído. Ser fiel não é simplesmente uma promessa sobre como vou me comportar, mas é também sobre o que vou pensar e o que vou desejar. Ser fiel é algo que é muito mais necessário nos pensamentos, antes de se concentrar nos atos. Ser fiel é agir, pensar, refletir e demorar-se apenas naquilo que faz bem ao casamento, e ao nosso cônjuge. Isso demanda muito mais compromisso do que muitas pessoas atualmente têm feito.

Um detalhe importante a ser destacado é que a promessa de fidelidade, amor e respeito são direcionadas à pessoa com que estamos nos casando. Eu sei que isso parece redundância, quase óbvio, mas é porque nem todos entendem isso exatamente assim. Para muitos, isso significa amar, respeitar e ser fiel a si mesmo, e às próprias vontades. Muitos colocam seus desejos em lugar do cônjuge. Primeiro pensam em si, e depois no que devem fazer para o casamento.

Todos precisam lembrar que casamento é abrir mão de pensar somente em si. Significa que decidi partilhar a vida com outra pessoa, e esse partilhar implica em colocar a outra pessoa pelo menos no mesmo nível de importância que dou para mim mesmo. E acima do que dou para meus pais, familiares, amigos, etc.

E em que momentos? Em todos. Há pessoas que conseguem ficar juntas quando as coisas estão difíceis, mas quando as coisas melhoram, simplesmente trocam a pessoa com quem se casaram, pois começam a achar que são muito diferentes. Conseguimos partilhar lutas, mas o verdadeiro desafio de um casamento é partilhar as alegrias. Por essa razão, quero dizer que tanto nos melhores quanto nos piores momentos você prometeu ficar junto. Seja quando a outra pessoa é magra ou gorda. Seja quando ela está saudável ou necessita de algum atendimento especial. Seja quando ela está sendo maravilhosa, ou quando está sendo a pior pessoa. Sua promessa não foi condicional. Os opostos citados implicam numa abrangência que inclui todos os momentos. Por essa razão, sua promessa não pode ficar a mercê da situação.

Por último, fica o prazo de validade da promessa. Até quando você promete ficar junto? Até que o amor acabe? Até que o dinheiro acabe? Até que o peso ultrapasse o limite aceitável? Até quando dura a promessa? A resposta: Até que a vida acabe! Muitos se condicionam a ficar juntos enquanto houver sentimentos bons e fortes, mas quando esses falham, desistem da vida a dois. Não é isso o que prometeram. A promessa inclui enquanto ambos viverem. Deus deseja que fiquemos juntos, superando todas as dificuldades. Digo isso porque, diante de um problema, se você entende que deixar a pessoa não é uma opção, você vai ter que arrumar uma maneira de resolver o problema. Mas, se separar-se for a alternativa, ela sempre será a alternativa mais fácil para resolver as dificuldades.

Não deixe de viver a beleza da promessa que você fez na hora de seu casamento. Não perca a oportunidade de alcançar tudo o que você sempre quis na vida a dois. Isso é possível, pois isso inclui um compromisso seu. E, esse compromisso de fidelidade, amor e respeito é o que produzirá a maior quantidade de frutos.

Que Deus abençoe você e seu casamento.


Osmar Reis Junior

Nenhum comentário:

Postar um comentário