Um Recado Para Você!

terça-feira, 28 de maio de 2013

A Audição e a Fala no Casamento



Este será o terceiro tópico que escrevo sobre o tema da comunicação no casamento. Estou preocupado porque tenho visto, tanto no consultório quanto entre as pessoas com quem convivo, que muitos casamentos passam por situações muito difíceis e complicadas porque as pessoas não tomam tempo para esclarecerem e conversarem entre si. Muitas coisas ficam no diz que se diz, e nada chega ao final, nada se compreende. E os casais vão criando imensas barreiras, que vão separando as duas pessoas. Quero propor no presente artigo uma reflexão sobre o que se necessita para ser um bom ouvinte no casamento, e também para saber como lidar com temas difíceis.

A primeira coisa que preciso deixar clara aqui é que muitas pessoas, no casamento, não percebem, mas sempre procuram discutir a relação quando se encontram irritadas, nervosas ou frustradas com alguma coisa. Quando as coisas estão indo bem, ninguém se lembra de conversar sobre as questões complicadas. Na verdade, ninguém gosta de falar sobre coisas difíceis, quando estão os dois em um clima de romance e paixão. Pois bem, não é que toda a vez que vocês estiverem muito bem entre si vocês devem procurar discutir assuntos sérios. É que vocês devem procurar sempre conversar claramente sobre todos os assuntos. E ter paciência e calma para lidarem com os assuntos mais complicados. Muitas pessoas não gostam de falar de assuntos sérios, e no último artigo que escrevi, comentei sobre quatro atitudes que prejudicam a comunicação séria.

Agora, quero propor para vocês três características da boa comunicação, e quatro maneiras para falar sobre tudo sem magoar a outra pessoa.


Bases da Boa Comunicação

Uma coisa que precisa ficar clara ao discutirmos a comunicação no casamento é que uma boa comunicação depende mais de quem você do que daquilo que você faz. Se você tem sido uma pessoa boa, que demonstra seu amor para com seu cônjuge, pode ter certeza de que ele/ela estará melhor preparado para lidar com as questões difíceis. No entanto, se você permite que as coisas sigam mais distantes emocionalmente, se você não demonstra seu amor para com a pessoa com quem se casou, pode ter certeza de que ele/ela será bem pouco tolerante com qualquer tipo de reclamação que você tiver para com ele/ela. Portanto, saiba que se você quiser ter uma boa comunicação, comece a ser uma pessoa que ama e que demonstra esse amor. Antes de se preocupar com o que fazer quanto ao outro, você precisa pensar no que pode fazer para melhorar a você mesmo.

Esse é o grande ponto: ninguém consegue mudar a outra pessoa. Você pode reclamar quanto puder, mas nunca será capaz de mudar nada na outra pessoa. Por outro lado, se você quiser que o outro mude, seja uma pessoa diferente. Talvez, quando seu cônjuge vir em você que as coisas são diferentes, que você agora tem outra prioridade, com certeza ele/ela terá disposição de também ser uma pessoa diferente.

Agora, para ter uma boa comunicação, em primeiro lugar, você precisa desenvolver a cordialidade. Por cordialidade quero dizer você ser capaz de aceitar o defeito da outra pessoa porque você consegue se concentrar nas qualidades. Quantas e quantas pessoas costumam ignorar tudo de bom que seus maridos/esposas fazem, e vivem reclamando de seus pequenos defeitos. Eles não percebem que suas atitudes são destruidoras. A outra pessoa não sente a menor vontade de também ser gentil e educada. Para ele/ela, não adianta o que for feito, você sempre falará dos defeitos. Por isso, não estão interessados em mudar. Para evitar isso, concentre-se nas qualidades de seu cônjuge. Eu costumo falar para pessoas que reclamam desse tipo de coisa, que escolham o defeito que aparentemente está impossível de se conviver, e decidam que qualidade que apreciam muito na outra pessoa gostariam de perder, para que esse defeito fosse resolvido. Em geral, as pessoas reconhecem que seus cônjuges têm qualidades boas demais para serem desprezadas. Concentre-se nisso.

A segunda característica muito importante é a sinceridade. A sinceridade é o que pode ajudar o casal a aumentar a confiança um no outro. Sem sinceridade, sem a certeza de que o marido ou a esposa estão falando a verdade, nada mais resta no casamento. Ou você decide ser sincero, e não esconder nada, ou se prepare para o fim de seu casamento.

Um terceiro aspecto é a empatia. Quando a outra pessoa fala, não seja pronto a julgar e a interpretar as coisas de acordo com o que você ouviu. Tente se concentrar naquilo que não está sendo dito, nos sentimentos que motivaram a pessoa a falar com falou. Saiba que essa é a maneira de melhor saber o que a outra pessoa quer dizer: tentando entender o que ela está pensando e sentindo, e não apenas o que disse.

Regras para uma boa comunicação

Em primeiro lugar, use a palavra EU ao invés de VOCÊ. Quando estamos irritados, queremos que a outra pessoa veja o quanto ela está nos fazendo mal. E por isso, começamos a listar todas as críticas e defeitos que vemos nele/nela. Só que fazendo isso, estamos apenas contribuindo para que a briga entre o casal aumente. Por isso, quando quiser tratar de algum assunto complicado, não acuse o outro, mas fale de como você está se sentindo, como está magoado(a), e de como queria que as coisas fossem diferente. Tire o foco da outra pessoa, e fale mais de você.

Outra coisa é confirmar que realmente escutou. Em geral, quando estamos lidando com um problema a dois, o cônjuge não ouve o que queremos dizer, mas enquanto estamos falando, ele/ela já está preparando a resposta que vai dar. Para evitar esse tipo de atalho na discussão, confirme com a outra pessoa realmente o que ele/ela quis dizer, e não apenas o que realmente falou.

Além disso, reconheça que homens e mulheres lidam com as coisas de maneira diferente. Homens e mulheres não são iguais. Não adianta, cada um pensa e age de maneira diferente. Temos percepções da vida de maneira diferente, por isso, aquilo que pode ser muito importante para uma pessoa, pode ser completamente fútil para outra. Precisamos lembrar que por sermos diferentes, pode ser que aquilo que para nós parece sem importância, para a outra pessoa pode ser muito delicado. Precisamos pensar primeiro na outra pessoa.

Em acréscimo, lembre-se de pedir desculpas, se necessário. Se for necessário, não deixe de se desculpar por algo que você tenha dito ou feito. Pode ser que um de vocês dois tenha ficado muito magoado com o jeito ou as palavras usadas. Por isso, não seja tão cheio de si a ponto de não se desculpar. Se magoou a outra pessoa, o perdão é o primeiro passo para superar as dificuldades da comunicação.

Por fim, comunique-se por meio do toque. Não fique apenas nas palavras. Há momentos em que é extremamente importante um abraço, um toque de carinho nas costas, no braço, no rosto. Isso sem qualquer intenção sexual. Apenas toque, para mostrar que você está presente, e está pronto(a) para qualquer coisa que fizer.

Seguir essas dicas não significa que tudo o mais em sua vida vai ser tranquilo, que nunca mais vocês terão qualquer tipo de discussão. Apenas indica que agora, nos momentos de confronto verbal, você vai começar a usar outro tipo de abordagem. Você vai começar a se preocupar mais com o outro e menos com você mesmo. E, provavelmente, você poderá resolver as questões difíceis sem fazer com que cada um de vocês vá para um lado da casa, chateado.

Que Deus abençoe sua família,

Osmar Reis Junior

Nenhum comentário:

Postar um comentário