Um Recado Para Você!

sábado, 6 de abril de 2013

Por que não desistir do cônjuge que já desistiu de você?

As histórias são sempre as mesmas. Só mudam as personagens. Toca o telefone e uma voz, do outro lado da linha, com ar de desespero, começa a narrar tudo o que lhe está acontecendo. Geralmente as palavras começam meio cambaleantes, trêmulas, chorosas. Ao final da narrativa, o enredo se repete. “Pastor, meu marido me repudiou, está com outra mulher e diz que nunca mais voltará para casa”. Sempre finalizo a conversa deixando uma esperança: peço para a pessoa não desistir, em hipótese alguma, do seu cônjuge, especialmente em uma situação em que ele mais precisa. Não é uma esperança vazia, mas um exercício de fé, uma promessa que DEUS tem confirmado dia após dia através do nosso Ministério.

Talvez, um leitor menos experiente se pergunte o que leva uma pessoa cristã a não desistir do seu primeiro casamento e do marido da sua mocidade, quando este já a (o) repudiou e vive novas aventuras amorosas. A resposta, procurarei desenvolvê-la no decorrer do texto.

Primeiramente, não conheço outra instituição tão atacada e desejada pelo diabo como a família, criada por DEUS a partir dos casamentos lícitos (o primeiro do homem e da mulher). Essa assertiva é tão verdade que, hoje em dia, é difícil encontrarmos casais que estão juntos e em primeiro casamento. Quase todos já degringolaram, perderam o seu rumo, desajustaram-se na conjuntura social. Tudo isso é muito natural entre pessoas que não conhecem a DEUS e, por consequência, não possuem temor algum dos Seus mandamentos. Era para a chamada igreja de CRISTO aqui na terra, constituída de pessoas separadas do mundo (e por isso são chamadas santas), chegar ao século XXI em uma condição totalmente oposta à realidade do mundo. As pessoas que iam sendo agregadas a essa igreja, através do evangelismo, naturalmente, chegariam ao Corpo de CRISTO com suas vidas e situações totalmente desajustadas pelo mundo e pelos demônios, frutos do pecado, da desobediência. Mas não permaneceriam do mesmo jeito. Infelizmente não é isso que acontece. Pessoas do mundo e pessoas da igreja hoje são bem semelhantes, especialmente na área familiar. Há denominações iguais aos atores de novelas e artistas de televisão, em segundo, terceiro, quarto e até quinto casamento. Ou seja, muitos templos viraram cenários artísticos adaptados.

Fui apresentado, há muitos anos, a um Evangelho e a um DEUS que transforma, que converte, que muda radicalmente corações, mentes e caráter. Falaram-me de um DEUS, cuja presença do Seu Espírito juntamente com um coração quebrantado encorajariam as pessoas a procurarem essa mudança radical em suas vidas e um conserto imediato. Descobri, com um tempo, que tudo depende de quem te apresentou o Evangelho e como ele foi apresentado a você. Disso depende a qualidade da nossa caminhada cristã. Há pessoas, dizendo-se de DEUS, vendendo um evangelho barato, que se adquire em qualquer esquina e sem nenhum esforço. Elas pregam o que lhes é conveniente. Estão em busca de quantidade, número, de atrair fama e riquezas para si. Na Epístola aos Gálatas, Paulo chamou essas pessoas de anátema (leia Gálatas 1:8-9).

Cheguei a CRISTO com uma vida totalmente arruinada, destruída por uma série de pecados, onde o adultério ganhava destaque. Mas isso não significaria que eu deveria viver louvando e servindo a DEUS na mesma realidade que tinha anteriormente. Fui convencido que deveria mudar, e DEUS atuou em todas as áreas da minha vida, por infinita misericórdia e amor, convertendo-me de verdade. Fui liberto de prazeres que, aos olhos de muitas pessoas, eram “impossíveis” saírem da minha trajetória. Mas saíram porque DEUS me amou de maneira especial, porque ELE nunca desistiu de mim, ao permitir certas situações na minha vida, ao me constranger, ao me mostrar que para mim só haveria um ÚNICO caminho, que me faria chegar à glória eterna: arrependendo-me, abandonando tudo, começando uma vida diferente e perseverando em santidade. Perseverar é ter um coração desejoso de agradar a DEUS, descobrir o que é certo e errado e buscar a primeira opção. É como ensinou o apóstolo Paulo à igreja em Éfeso: “Quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; e vos renoveis no espírito do vosso entendimento, e vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade. Pelo que deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo, pois somos membros uns dos outros. Irai-vos e não pequeis: não se ponha o sol sobre a sua ira; e não deis lugar ao diabo. Aquele que furtava não furte mais (…)” (Efésios 4:22-28). Para ser de CRISTO verdadeiramente um homem, escravo do pecado, tem que admitir para si mesmo e para DEUS, que vive na mentira, entregue as concupiscências do engano. Quando ele faz isso, DEUS o revela toda a Verdade e promove profundas transformações nas três áreas essenciais do seu ser: mente, coração e caráter. Mas enquanto ele achar que a mentira é verdade, a cada dia mais será entregue à escravidão e aos caminhos maus: “Bem-aventurado o homem que continuamente teme ao Senhor, mas o que endurece o seu coração virá a cair no mal” (Provérbios 28:14).

Se, como igreja do SENHOR, observamos que uma pessoa anda nos caminhos de morte, o que devemos fazer em relação a ela? Ignorá-la? Desprezá-la? Ou amá-la de uma forma diferente e especial, orando dia e noite pela vida dela? E se essa pessoa perdida for o seu marido ou a sua esposa que, em dado momento, abandonou a casa e foi viver pelo mundo segundo os deleites carnais? Reflita apenas um pouco. O que JESUS manda nós, como Sua igreja aqui na terra, fazermos? DEUS já te disse alguma vez que algo ou alguém não tem jeito? ELE já decretou essa sentença? É claro que não.

Encontro então, com isso, o princípio maior do cristianismo: o de amar alguém incondicionalmente, mesmo quando a pessoa não faça nada por merecer esse amor. O Amor de CRISTO é incondicional, sem interesses. Impossível ser de CRISTO sem viver esse Amor.



Agora, outra pergunta: há limites para amar alguém dessa maneira, ainda que a outra pessoa diga que não quer mais, que vai viver a vida segundo os prazeres do mundo? O fato de um cônjuge dizer que não quer mais é motivo de desistirmos dele?

Quantas vezes pedi ao SENHOR para morrer? Quantas vezes pedi ao SENHOR desistir de mim porque não encontrava forças para agradá-LO? Quantas vezes, de forma proposital, entreguei meu corpo e minha alma ao deleite dos demônios, e mesmo assim, o SENHOR se compadeceu de mim? Embora todos ao meu redor já tivessem desistido, tivessem me feito acreditar que eu não tinha mais jeito, mesmo assim, DEUS não desistiu. É com essa visão que a igreja do SENHOR deve caminhar. O meu testemunho não é o único do mundo. Todas as pessoas que um dia foram resgatadas pelo SENHOR, assim foram porque o SENHOR DEUS nunca desistiu de nenhuma delas, segundo os Seus propósitos. Vejo em Paulo um grande exemplo e motivo para vivermos a são doutrina e esse chamado maravilhoso: “Pois eu sou o menor dos apóstolos, que mesmo não sou digno de ser chamado apóstolo, porque persegui a igreja de Deus. Mas pela graça de DEUS sou o que sou, e a sua graça para comigo não foi vã (…)” (1 Coríntios 15:9-10). Nos dias de hoje, talvez ninguém se atrevesse a apresentar o Evangelho de CRISTO a Saulo, pois ele tinha um coração muito duro, mas muito duro. Ele odiava crente. Essa história de novo nascimento não passava de um conto da carochinha. Mas, ainda assim, o SENHOR, no tempo determinado, foi ao seu encontro e o libertou. E não só o libertou, o salvou. E não só o salvou, mas o constituiu um dos principais da igreja de JESUS. DEUS tira o homem da lama e o faz assentar entre os príncipes nas regiões celestiais. Porque DEUS não desiste de ninguém.

Se hoje somos igreja, foi porque JESUS não desistiu de nós (pois fomos resgatados debaixo da insistência do SENHOR pela nossa vida). ELE teve muitos motivos para recuar da Sua missão maior, demônios, potestades, principados, fariseus, escribas, pouca fé dos apóstolos, fome, sono, fadiga, temporais. Mas JESUS não desistiu da morte de cruz, ELE não desistiu de mim e de você. JESUS focou a obediência, a perseverança, e venceu. Como marido e esposa, você também irá vencer, se não desistir do seu casamento e de lutar pelo seu cônjuge. Imagino que em cada passo de JESUS rumo ao Calvário, eu e você, entregues aos prazeres do mundo, dizíamos inconscientemente de que não queríamos DEUS, não queríamos ser transformados pelo Seu Espírito Santo. Mas ELE em nenhum momento desistiu de mim e de você. Por isso,  também, não devemos desistir do nosso cônjuge, embora a situação pareça impossível de ser revertida. Porque a família reflete a glória de DEUS. Não me refiro à estrutura familiar que o mundo criou juntamente com o diabo e seus demônios (segundo, terceiro, quarto casamento. JESUS disse que tudo isso é adultério – Marcos 10:11-12; Lucas 16:18 -, sem valor algum, pessoas perdidas ao deleite de suas ambições – 1 Coríntios 6:9-10), mas a família nascida do primeiro casamento de ambos, onde marido e esposa se tornaram cônjuges em suas mocidades. É essa família que DEUS quer restaurar. DEUS quer desfazer toda bagunça realizada pelo diabo. A casa, que está suja e destruída, DEUS quer restaurar, porque ELE não desiste de nenhuma esposa ou marido, unidos em primeira aliança.

Mas se toda essa bagunça foi criada no tempo em que o marido ou a esposa não conhecia o SENHOR JESUS, não era salvo (a), vivia no chamado tempo da ignorância? Ou seja, alguém pode perguntar: e se um marido repudiou a sua esposa e se uniu sexualmente a outra mulher no tempo da ignorância, e um dia ambos tiveram um encontro com JESUS? O que fazer nessa situação? Muitos costumam usar como justificativa a primeira parte do texto que está em Atos, capítulo 17, versículo 30: “Mas Deus não levando em conta o tempo da ignorância…” , E, pronto! Param aqui! Parece que o versículo acabou de maneira abrupta, repentina. É preciso lermos o versículo todo para entendermos em qual situação DEUS não leva em conta o tempo da ignorância do ser humano. Por isso, vou transcrever o versículo na íntegra: “Mas Deus não levando em conta o tempo da ignorância, manda agora que todos os homens, em todos os lugares, se arrependam” (grifo meu). Ah, agora está tudo muito bem explicado: para DEUS não levar em conta o tempo da ignorância, é preciso que o homem se arrependa, ou seja, conserte a sua vida naquilo que precisa ser consertado. Se ele chegou à igreja em segundo ou terceiro casamento e se JESUS diz que isso é adultério (“Qualquer que repudiar a sua esposa e se casar com outra comete adultério e o que se casar com a repudiada pelo marido repudia também” – Lucas 16:18. JESUS disse QUALQUER UM QUE FIZER ISSO, SEJA CRISTÃO OU ÍMPIO), então aquele que se propõe a fazer parte do corpo de CRISTO precisa se arrepender e abandonar esse adultério para poder receber a misericórdia de DEUS sobre a sua vida: “O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que confessa e deixa, alcançará misericórdia” (Provérbios 28:13). Se a tal pessoa insistir em permanecer no adultério e não quiser buscar a restauração com a família inicial, DEUS o julgará como ímpio, como ignorante, pois os tempos da ignorância serão contados para DEUS no Dia do Juízo.

O ímpio não obedece a DEUS, não sente desejo de renunciar a própria carne; ele desiste das pessoas na maior facilidade, repudia sua família, e sai por aí pelo mundo em busca de satisfazer as concupiscências da sua carne. O ímpio desconhece o que é RESTAURAÇÃO, AMOR, COMPAIXÃO, PERDÃO, LUTAR PELA VIDA DE ALGUÉM, porque ele vive a amontoar pecados e desgraças sobre si mesmo.

O cristão é bem diferente. Ele ora, chora, sofre por alguém, não desiste, obedece, submete-se, renuncia a si mesmo, carrega a cruz, sente prazer em agradar a DEUS. Observe que são pessoas de natureza e de atitudes bem distintas. Um cristão casado ama a sua família acima de qualquer emocionalismo e circunstância, porque ele entende que foi DEUS quem a criou para o louvor do Seu santo nome. E, por isso, jamais desiste dela.

Agora, você vai olhar para a sua volta e vê a quantidade de templos, de denominações, usando a Bíblia e o nome do SENHOR, que estão repletas de pessoas em segundo, terceiro, quarto casamento. Você vai se admirar e talvez até se espantar. São pessoas que vieram do mundo de um jeito e nos templos permaneceram do mesmo jeito, porque não lhes apresentaram a sã doutrina, a doutrina de JESUS e dos apóstolos, e até mesmo essas pessoas não se ocupam de examinar o que a Palavra diz. Todas essas pessoas (inclusive líderes) estão perdidas, cegas, e se não estão no adultério, compactuam com o adultério dos outros (leia Romanos 1:28-32). Todas, repito, estão cegas e inseridas naquela célebre passagem de Mateus 7:21-23.

Graça é ter a esperança de viver uma restauração familiar. Misericórdia é a benevolência de DEUS que vem sobre a vida de quem se arrepende e se liberta de todo pecado. Graça e misericórdia são palavras muito bonitas e bastante usadas nos templos, mas elas só são verdadeiras na vida de quem se sujeita aos ensinamentos de JESUS: “Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça aumente? De modo nenhum. Nós que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele? De sorte que fomos sepultados com Ele pelo batismo na morte, para que, como Cristo ressurgiu dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida” (Romanos 6:1-4).

Se você parou de orar por alguém, simplesmente porque você não viu mudança alguma na vida dessa pessoa, lembre-se de que você anda por fé e não por vista. Então, volte hoje mesmo a dobrar seus joelhos, a colocar essas vidas encarceradas no pecado diante do trono de DEUS. Não dê esse prazer ao diabo em desistir da vida de qualquer pessoa, seja seu cônjuge, seja um parente, um amigo ou até mesmo um inimigo seu. É prazer do diabo que você desista, porque ele quer povoar o inferno de espíritos que, aqui na terra, ninguém se ocupou de orar. Entenda: cada vez que você ora, a esperança de salvação é renovada no mundo espiritual sobre a vida de quem está perdido. DEUS contempla as lágrimas e as orações de um justo. Ore e logo encontrarás a graça de DEUS através de uma resposta poderosa para sua vida e sua família. Seu casamento pode até estar destruído, mas o importante é que você permaneça de pé diante de DEUS e não pague com a mesma moeda àquele que te repudiou. Não desista porque DEUS nunca desiste de você!

FERNANDO CÉSAR

Nenhum comentário:

Postar um comentário