Um Recado Para Você!

sexta-feira, 22 de março de 2013

A Gente Sempre Briga… Será Que Não Casei com a Pessoa Errada?


Quantas vezes a frase que está no título desse artigo não passou pela sua mente? Quantas vezes você não pensou que, por causa da dificuldade de encontrar um meio termo, ou mesmo de obter uma resposta positiva da pessoa com quem se casou, não significaria que você tinha se casado com a pessoa errada? Quantas e quantas discussões em um casamento não se transformam em “diferenças irreconciliáveis”, e levam ao divórcio?

O que você precisa saber é que todos os relacionamentos têm diferenças. Não é possível que duas pessoas, vindas de famílias diferentes, com criações diferentes, vivendo realidades diferentes, e que veem a vida de maneira diferente, alguma vez concordem completamente um com a visão do outro.

As pessoas acham que por estarem se casando por amor, as diferenças, e os problemas sempre serão resolvidos da maneira mais calma e simples possível. Elas acham que nunca terão conflitos, discussões ou desentendimentos. Aí, quando essas realidades aparecem, as pessoas acham que isso existe porque o amor terminou.

Aqui vai a primeira lição que deve fazer você refletir nesse artigo: Amar não significa nunca brigar, mas sempre que houver brigar, o amor motiva o perdoar. O problema não é o fato de existirem desentendimentos. O problema é que temos extrema dificuldade em conseguir superar o desentendimento, e ser feliz.

Conflitos – uma realidade

Quando o casal está namorando, parece que nunca terão qualquer dificuldade de se entenderem, pois sempre que um tem uma posição mais forte, o outro se desdobra para parecer concordar, ou está disposto(a) a abrir mão da própria ideia para agradar a outra pessoa.

Normalmente, as ideias que se sobressaem são da pessoa que tem o gênio mais forte, que faz valer suas opiniões.

O problema é que depois que casam, parecem que se esqueceram da educação e da cordialidade no altar. Os dois passam a simplesmente se ofenderem, discordando um do outro, que nem parece que são guiados pelo mesmo sentimento. Lembro-me de uma frase que li há algum tempo que dizia: “Não se esqueça que a pessoa com quem você está brigando em seu casamento é a mesma que você ama, e não um inimigo”. Para muitas pessoas, parece que quando se sentem negadas ou não aceitas em suas ideias, a outra pessoa a ofende profundamente, e por essa razão, elas se tornam extremamente duras ou irredutíveis com respeito ao que pensam. E aí, o casamento começa a se desgastar.

Portanto, devemos ter bem claro em mente o fato de que os conflitos são parte normal do casamento. O ponto importante não é que vocês discordem, mas em como reagirão quando discordarem. Algumas pessoas possuem um temperamento que transformam o casamento numa sequência de explosões verbais. Não deve ser por aí tampouco.

Precisamos encontrar, em nossa vida a dois, uma maneira de resolvermos o conflito na qual os dois, tanto o marido quanto a esposa, se sintam amados. Precisamos em nossas discussões mostrar que a pessoa de quem discordamos ainda é a pessoa mais importante de nossa vida.

Entendendo os conflitos

Assim, para termos uma ideia correta sobre a questão do conflito no casamento, precisamos nos lembrar, primeiramente, que os conflitos não significam que você se casou com a pessoa erradas, mas simplesmente que você se casou com um ser humano, que também pensa, sente e tem sonhos, aspirações e sentimentos, como você. Agora, pode ter certeza de que independente da razão ou do tamanho do seu conflito, ele tem a capacidade de destruir uma noite, uma viagem, um período de férias, ou até, um casamento. Você, juntamente com seu cônjuge, precisa desenvolver uma maneira saudável de lidar com o conflito. E, a coisa mais importante quando em um conflito, é entender a necessidade de que você precisa primeiro ouvir a outra pessoa. Você precisa entender não apenas o que a pessoa está dizendo, mas também por que e o quão importante isso é para ele/ela. A melhor maneira de fazer isso é pedir não para conversar, mas para ouvir. Antes de você expressar o que pensa, você precisa primeiro ouvir qual é a necessidade, a razão que motiva a outra pessoa. Assim, você pode primeiro entender os sentimentos envolvidos, e então agir consciente dos mesmos.

Então, depois de ouvir, e entender, você e seu cônjuge estarão prontos para buscar uma solução saudável e amorosa para os conflitos em seu casamento. Lembre-se que, no casamento, as coisas não são melhores porque são do “meu” jeito, mas porque conseguimos fazer as coisas que são do “nosso” jeito. Para lhe dar algumas ideias de como fazer isso, quero apresentar abaixo três maneiras de resolver os conflitos.

Lidando com os conflitos


A primeira ideia para lidar com um conflito é buscar um meio-termo. Isso envolve encontrar um ponto em que ambos estejam de acordo, e que funcione para os dois. Isso também quer dizer, às vezes, encontrar uma maneira em que ambos abram mão de alguma coisa, façam um pequeno sacrifício, que ajude a ambos. Por exemplo, se ambos querem visitar seus pais durante o natal, que moram em cidades diferentes, e ainda assim planejam tirar férias em uma praia do nordeste, precisam pensar em tirar férias em uma cidade próxima da que vivem, e pela economia, se for possível, viajarem de avião para visitarem as duas famílias durante a semana das festas do final de ano. O meio-termo implica sacrifício, concessão, e comum acordo.

Uma segunda maneira é a de abrir mão. Essa talvez seja a mais difícil. Mas ela é muito importante pois há situações nas quais o casal parece não entrar em acordo de jeito nenhum. Eles percebem que têm muitas coisas diferentes, e que há situações nas quais nunca acharão um ponto de encontro. Assim, eles podem simplesmente deixar de discutir sobre o assunto, e abrir mão do que pensam. Por exemplo, se um pensa que deve estacionar os carros na garagem de frente, e o outro de marcha ré, cada um estaciona o carro do jeito que acha ser importante quando estiver dirigindo, e respeita quando for o outro que estacionar. Perdemos muita energia e felicidade da vida a dois quando entramos em discussão desnecessária por detalhes que não mudarão em grande escala o futuro do casal.

E uma terceira proposta que faço é a de deixar para depois. Se vocês tentaram de todas as maneiras chegar a um acordo, e nada deu certo, lembrem-se de que podem esperar um pouco mais de tempo para discutir sobre o tema. Por exemplo, se não chegarem a um acordo sobre onde passarão as férias, esperem mais uma semana, ou um mês, para que ambos possam pensar sobre isso, possam pesquisar alternativas, ou simplesmente, possam aproveitar a companhia um do outro, sem que se desrespeitem por isso. Dar um tempo para a questão ajuda muito a esfriar as coisas.

Essas são algumas propostas. O mais importante é que você não desista de seu casamento por causa das discussões. Aprenda a respeitar esses momentos, sabendo que ao seu lado encontra-se o amor de sua vida, e por isso ele/ela precisa ser respeitado.

Que Deus abençoe sua família

Osmar Reis Junior
Psicólogo

Nenhum comentário:

Postar um comentário